Biografia

  • Biografia

Notícias

  • Notícias

$type=blogging$count=9$nv=1$h=300

$type=carousel$cols=6$count=100$h=200$m=0$l=0$va=0

$type=carousel$cols=6$count=100$h=200$m=0$l=0$va=0

$type=carousel$cols=6$count=100$h=200$m=0$l=0$va=0

$type=blogging$count=1

$type=carousel$cols=6$count=100$h=200$m=0$l=0$va=0

$type=carousel$cols=6$count=100$h=200$m=0$l=0$va=0

$type=carousel$cols=6$count=100$h=200$m=0$l=0$va=0

$type=carousel$cols=6$count=100$h=200$m=0$l=0$va=0

$type=carousel$cols=6$count=100$h=200$m=0$l=0$va=0

$type=carousel$cols=6$count=100$h=200$m=0$l=0$va=0

$type=carousel$cols=6$count=100$h=200$m=0$l=0$va=0

Fotos

  • Fotos

$type=three$a=0$cm=0$va=0$rm=0$m=0$s=0$c=12$l=0$nav=1$h=209

Entrevistas

  • Entrevistas

$type=blogging$count=9$nv=1$h=300

Vídeos

  • Vídeos

$type=three$a=0$cm=0$va=0$rm=0$m=0$s=0$c=12$l=0$nav=1$h=209$icon=1

Entrevista Blimunda Junho 2016

Se tivesse de destacar o mais importante da sua biografia, o que seria? Ter nascido em África de uma família não africana, facto q...

Se tivesse de destacar o mais importante da sua biografia, o que seria?

Ter nascido em África de uma família não africana, facto que estabeleceu uma estranheza na minha vida, uma sensação de que sempre sou o outro. Isso é muito útil porque no mundo somos sempre o outro, então sinto-me muito bem quando viajo. É uma situação confortável.

É uma estranheza boa?

Não sei se é boa porque não sei o que é não ser estranho, mas é útil.

Escreveu recentemente A minha guerra alheia, uma biografia que retrata a sua experiência na II Guerra Mundial. O que a levou a escrever esta biografia?

Comecei a pensar no livro quando estava com o meu marido, Afonso Romano de Sant'ana, em Belaggio, no lago de Como. Este lugar foi muito importante porque estive lá nos dois últimos anos da guerra. Já tinha seis anos. Foi ali que ingressei na literatura universal. Por isso foi muito importante, foi quando tomei conhecimento da vida.

Foi nesse lugar que pensei em escrever o livro, ideia que depois abandonei porque pensava que precisaria de fazer muita pesquisa, pedir uma bolsa para regressar à região, coisa que não aconteceu. Mas aconteceu uma outra coisa. Houve uma explosão num clube em Bogotá e lá morreu uma menina de quatro anos que tinha sido aluna da Yolanda Reyes, minha grande amiga. A Yolanda trocou umas cartas com La Purga, uma terceira amiga nossa, que era a dona da escola onde a menina agora estudava. A carta de La Purga pedia a Yolanda bibliografia que ajudasse as outras crianças a entender que a colega não ia voltar. Essas cartas mexeram muito com o meu coração e pensei que há crianças no mundo inteiro envolvidas em processos de guerra, declarados ou não. Então ia escrever esse livro para relatar, do meu ponto de vista, como vive uma criança numa guerra.

Foi difícil fazer o exercício de reencontrar a Marina criança?

Surpreendentemente não foi. Houve uma parte grande de pesquisa, porque naquela idade não sabia os factos da guerra e eu queria fazer um livro mais abrangente. O livro não é para crianças, é sobre ser criança. Mas no que diz respeito às lembranças, surpreendeu-me muito, porque eram muito claras. Nunca mais olhei para crianças de até dez anos como olhava. Olho para elas e penso: "Vocês não me enganam, vocês sabem tudo!"

Essa experiência da guerra contribuiu para uma perda de inocência?

Não sei o que é a inocência. Tinha um desconhecimento das coisas sexuais porque naquela época não se via na televisão nem os adultos falavam disso com as crianças mas a sensibilidade é tão aguçada nessa idade... Não acredito na inocência. Acredito na ignorância, no desconhecimento, no ocultamento. Os adultos ocultam coisas às crianças. Acho que a inocência infantil é uma lenda criada pelos adultos.

A Marina nasce na Etiópia colonizada.

O meu pai tinha participado nas guerras de colonização, por isso fomos para lá. Ele gostava de guerras. Depois quis estabelecer-se lá e pediu transferência de Itália para África.

Nasce num país colonizado, a Etiópia, muda para outro país colonizado, a Líbia, assiste à II Guerra Mundial em Itália e muitos anos depois vive a ditadura no Brasil. O que aprendeu sobre a condição humana e o poder?

Vivi essas duas ditaduras de forma oposta. O meu pai era fascista, então a ditadura não me era apresentada como feroz. Da mesma maneira que hoje tenho um olhar sobre o colonialismo completamente diferente do olhar que me foi transmitido por colonizadores. Quando vivi a ditadura no Brasil estava do outro lado. A experiência é diametralmente oposta. Porém ficou-me uma desconfiança eterna por todos os extremos, qualquer pessoa que me diga que é de extrema-direita ou de extrema-esquerda eu ponho no mesmo saco. Da mesma maneira as questões religiosas, o patriotismo, as bandeiras ao vento, os hinos com a mão no coração, acho horrível porque sei onde leva. É muito bonitinho amar o seu próprio país até você atravessar a fronteira e matar todos os vizinhos.

Como lidou com uma herança ideológica que a certa altura descobre que não é aquilo que lhe tinha sido apresentado?

Talvez tenha sido útil aprender cedo que as verdades não são verdades, que podem sempre ser alteradas, ter outro lado. Mas não tenho um momento «Eureka!» em que tenha descoberto. Foi tudo muito progressivo, um somatório. Por exemplo, quando cheguei ao Brasil fiquei muito surpreendida porque nem sabia que o Brasil tinha estado na guerra. Eu estava no norte da Itália quando a guerra acabou e vi exércitos australianos, africanos, polacos, americanos, ingleses... Nunca vi um soldado brasileiro porque os brasileiros ficaram na região de Roma. Quando cheguei ao Brasil as outras crianças gozavam comigo e diziam que os italianos eram covardes e os brasileiros eram heróis. Eu respondia que estava lá e nunca tinha visto nenhum brasileiro. Para uma criança isso é muito complicado. Sabia do sofrimento italiano nessa guerra, traído pelas lideranças, o rei fugiu, Mussolini idem... Era muito complicado na minha cabeça.

Como foi viver a ditadura militar no Brasil?

Por sorte, já era jornalista e trabalhava com cultura e isso tornou as coisas um pouco menos ásperas. Em 1965 nasceu a minha primeira filha e isso tomou muito de mim. De uma certa maneira as pessoas habituam-se. A menos que se queira pegar em armas, e isso eu nunca faria, a gente adapta-se. Acompanhávamos os colegas que iam para a clandestinidade, a vizinha do meu apartamento cujos filhos foram presos e a quem os moradores do prédio deixaram de cumprimentar... Mas eu estava do lado certo, o que já é um pouco melhor...

É mais apaziguador...

Sim. É melhor! Trabalhei durante muitos anos, comecei em 1963, numa revista feminina e escrevia muito sobre questões de género. Ninguém sabe mas a revista tinha de ir sempre a Brasília para ser censurada, textos, fotografias, legendas, tudo. A revista era muito nova e libertária e era por isso muito visada. Tive vários textos censurados.

Foi nessa altura que nasceu a sua aproximação à literatura infantil e o seu primeiro conto de fadas, que ia ser um reconto.

É verdade. Ia ser um reconto e depois nunca fiz reconto na vida.

É aí que começa a trabalhar os contos de fadas que são um elemento central, identitário, na sua escrita. como são as fadas hoje em dia?

Hoje em dia trabalha-se muito os contos de fadas de duas maneiras: muito com a paródia e muito com a paráfrase. Não sei quantas versões parodísticas foram feitas de Capuchinho Vermelho ou de Os três Porquinhos, mas provavelmente milhares. Mas na verdade são narrativas de grande densidade. Não tenho conhecimento claro de autores que tenham feito uma obra consistente em contos de fadas autorais dentro do mesmo princípio de densidade conteudística. Existem autores que fazem um conto ou outro. Espanha tem alguns. Mas não é elegante falar dos contos dos outros.

Como é o seu processo de escrita?

Considero-me uma pessoa muito organizada mentalmente. Quando trabalho na literatura para adultos tenho propósitos. Trabalho sempre com narrativa curta mas meus livros de contos são temáticos porque a minha intenção é desenvolver um tema através de pequenas narrativas que não são cacos. São elementos de um conjunto. É uma reflexão. É como se eu fizesse um ensaio sobre um tema. Faço muitas leituras e reflexões sobre o tema. Leio livros de sociologia, de história, de filosofia. Depois começo a produzir. É um sistema muito mental.

Que não acontece com os contos de fadas?

Só faço projectos livro, não faço contos soltos. Quando faço contos de fadas não tenho nem quero ter nenhum propósito. A consciência tem que ir para Curaçau, férias da consciência, do superego! Tenho de ficar num estado quase semi-letárgico e ficar a ouvir o inconsciente. O que ele quer contar, que história ele me traz? Aí co a acompanhar a história.

Já foi assim no primeiro livro, Uma ideia toda azul?

Sim, sim. Então não tenho nenhum domínio sobre esses contos. Tenho na hora de escrever, sobre a forma. Não tenho domínio sobre o conteúdo, não quero fazer a interpretação dos símbolos, não quero fazer a interpretação dos contos. Poderia fazer porque fiz onze anos de psicanálise, sou muito bem equipada para fazer essas análises mas não quero, não é o meu papel.

Como chega a esse estado?

É difícil. Mas começo a preparar-me, a fazer certas leituras...

E afasta-se do quotidiano?

Não, isso é impossível. Mas escolho um período em que não viaje tanto. Se me surgir um tema, escrevo num papel e por cima coloco conto de fadas ou mini conto, e largo numa caixa. Depois há uma altura em que digo: "agora vou escrever contos de fadas." Aí tenho de mudar a embocadura, a minha atenção volta-se para outras coisas e tenho de alimentar a alma para ela entrar em efervescência nesse sentido.
Recentemente juntei todos os meus contos de fadas num livro. São cento e dezassete, dos quais dezassete inéditos.

Quando viu o livro finalizado, com os cento e dezassete contos, releu-os?

Sim.

O que sentiu?

Os autores nunca dizem isso mas eu achei lindo. São trinta anos de trabalho e achei muito surpreendente. Para mim foi muito emocionante. Eu surpreendo-me e emociono-me quase como quando os escrevi. É claro que tenho de relê-los porque também conto os meus contos, então tenho de escolher e decorar. Quando for para a Alemanha, em seguida, vou ter de contar um conto num espectáculo com crianças, então tenho sempre de reler.

Agora, acho que tem alguma coisa muito emocionante nestes contos. Não deveria dizer isto. Deveria ser hipócrita e dizer que estou muito satisfeita, mas não é o meu perfil.

Para si faz sentido distinguir a escrita para adultos e para crianças?

Sim, faz. Escrevo outros livros para crianças que não são contos de fadas. Eu não quero divertir crianças. Não é o meu papel. Quero conversar com crianças. Quando escrevo para crianças eu converso com as crianças mas não me ponho no lugar delas. Sou uma adulta a conversar com crianças. Aquela conversa que é a criança em mim não me serve. A criança que fui já foi... há muito tempo! Já não era criança quando era criança, imagine agora! Não é disso que se trata. Agora, eu levo a criança muito a sério, converso com ela em absoluta seriedade, o que não quer dizer que não queira vê-la sorrindo, não é isso. Mas é um reconhecimento, um respeito absoluto pela inteligência dela. Acho que ela entende tudo, que sabe tudo, que é muito curiosa.

E como é com os jovens?

Com os jovens, por exemplo em Penélope manda lembranças, tive o prazer de mostrar como se faz, de mostrar que é uma ficção e ao mesmo tempo não interromper a 'suspension of disbelief'. Por exemplo dizer: "Nesta situação não precisamos ter janela. A luz entra e me basta. Não precisamos ver a janela." Ou seja, estou a mostrar-lhes como estou a tecer a ficção. Ou então a personagem pega na revista que estava em cima de uma mesinha e eu digo "Ou você acha que eu te disse que havia revista na mesinha à toa?" Eu tive o prazer de mostrar ao jovem como se faz a cadeira e ele ainda se sentar. Não faria isso com adultos.

Porque não?

Quando acabei o livro o Affonso leu e perguntou-me: "Porque é que estás a endereçar isso a jovens? Isso é um livro para adultos." E respondi: "Ah não, mas eu fiz uma coisa quase materna: mostrar como a coisa é feita."

E acha que um adulto não precisa ou que não vai apreciar o processo da mesma maneira?

Eu não ia empenhar-me nisso porque serviria para uns e não serviria para outros. Mas para um jovem foi um prazer enorme, uma cumplicidade que criei com o leitor.

Qual é a diferença quando escreve para crianças e para jovens? Pensa nisso?

Não. Não é que pense mas a história diz-me para quem quer ser escrita. O tema diz-me.

Como vê a literatura infantil e juvenil no Brasil, actualmente?

O Brasil tem óptimos autores. A qualidade gráfica melhorou muito. Quando comecei a ilustrar os meus próprios livros não podia usar cor, era tudo a preto e branco, agrafado... Isso melhorou muito. A venda melhorou muito. É claro que como no mundo inteiro se edita muita insignificância. Mas os bons autores têm um espaço muito grande para agir. Nada no Brasil é muito continuado. Fazem-se programas que depois são interrompidos, inventam-se outros. Este ano o Ministério da Educação decidiu, por causa da crise, que não vai comprar livros. Isso é um problema. O Ministério compra muitos livros infantojuvenis de literatura para distribuição nas bibliotecas escolares, nas salas de leitura... Este ano não vai comprar nada.

Em que medida é um problema grave?

O Brasil tem o problema da distribuição porque é um país gigantesco. Em segundo lugar, a leitura é implantada na vida das pessoas sempre através da escola. Sabe-se que só as famílias de um certo poder aquisitivo, que são poucas, têm livros em casa e lêem. A maioria esmagadora da população não tem livros em casa, os pais não lêem. Então a tarefa acaba por ser da escola. Uma vez que os meninos recebem os livros da escola, não estamos a formar frequentadores de livrarias.

Então se o Ministério diz que não vai comprar livros, durante um ano as crianças vão viver com os livros do ano passado. E os editores vão ter um buraco sem medida porque vão viver da escola particular que é uma minoria. Claro que os livros vendidos ao governo são quase a preço de custo, mas a escala sustenta as editoras. Então temos um problema. Mas o Brasil tem sempre problemas, estamos habituados.

Mas a situação da leitura pública está melhor?

Temos a impressão que sim. Estamos metidos nisso há muitos anos. Para Affonso, como professor e director da Biblioteca Nacional, a questão da leitura esteve sempre muito presente. Não sei se avançamos enquanto avançamos. Não sei se avançamos porque aumentou a população ou se avançamos na questão da maior adopção pessoal. Não tenho certeza nenhuma a respeito disso. Vejo os jovens muito interessados nas redes sociais, no lucro pessoal e colectivo que se pode alcançar através das redes sociais, ou seja, a imagem, e em pertencer. Há pouco alguém falava de solidão; os jovens desconhecem isso. A roda de fogueira dos jovens é o telemóvel e o facebook. Não sei como a leitura de livros se vai encaixar com isso. Mesmo as revistas são muito fragmentadas. Então a leitura de textos longos torna-se estranha a este modo de vida. Claro que Shakespeare está em domínio público mas que capacidade existe para ler Shakespeare?

Entrevista de Andreia Brites 

Você pode baixar e ler todo o conteúdo da Revista Blimunda no site da Fundação José Saramago

E também no site da Revista Blimunda

Comentários

Nome

15ª Feira do Livro de Joinville 1957 1966 1968 1974 1975 1976 1977 1978 1979 1980 1981 1982 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 20º Salão FNLIJ do Livro para Crianças e Jovens 23 histórias de um viajante 80 anos 9º Seminário Biblioteca Viva. A menina o coração e a casa A moça tecelã A morada do ser A Morte e o Rei A Mulher Ramada A Noite das Mulheres Cantoras A Pequena Alice no País das Maravilhas A primeira só A Rosa Desbotada A verdadeira história de Alessandra Colasanti A vida é feita de pequenos gestos Aborto Academia Brasileira de Letras Academia Estudantil de Letras Academia Mineira de Letras Acqua Marcia Adolfo Córdova Affonso Romano de Sant'Anna Agaménnon Agência Riff Agosto 1991: Estávamos em Moscou Ainda na Alemanha Alcione Araújo Alemanha Alessandra Colasanti Alexandra Levasseur Alexandre de Castro Gomes Alfaguara Alfred Stieglitz Alice Vieira ALIJA Alimentação saudável Almanaque Leitura Amigos Amor Ana Maria Machado Ana Wanzeler Ana Z. a dónde vas? Ana Z. aonde vai você? André Neves Andrea Viviana Taubman Angra dos Reis Animação Anistia Internacional do Brasil Anita Schmidt Aniversário Anna Rennhack Anne Pingeot Ano Novo Antes de virar gigante Antes de virar gigante e outras histórias Antes de volverme gigante Antologias Antonio Abujamra Aqui entre nós Arduíno Colasanti Argentina Arpoador anos 50 Arte ArteNova Artigos Árvore de Livros As Aventuras de Pinóquio As origens do leitor e da literatura Assédio Sexual Atacama Ática Áudio AudioBook Audiolivro Avestruz Aydano André Motta Babel Libros Balada dos casais Barata Barbacena Bárbara Cobo Barbárie Bartolomeu Campos de Queirós Beijing Beja Belém Beleza Belisa Ribeiro Belo Horizonte Benedetta BestBolso Beth Serra Betty Ferkel Bez Batti Biblioteca de São Paulo Biblioteca Municipal de Sorocaba Biblioteca Nacional Biblioteca Popular Municipal de Botafogo Biblioteca Sempre Um Papo Biblioteca Viva Bibliotecário Bibliotecas Bienal do Livro de Campo dos Goytacazes Bienal do Livro de Campos dos Goytacazes Bienal do Livro do Amazonas Bienal do Livro do Ceará binóculos Biografia Boca Livre Bogotá Bologna Childrens Book Fair Bondelê Bragança Paulista Branca de Neve Brasil Brasília Brazil Frankfurt Book Fair Breve História de um Pequeno Amor Breve historia de un pequeño amor Brinque-Book Brooklyn Museum Bruno Barreto Bruno Zebendo Buenos Aires cachorro Cada bicho seu capricho Café chá e pipoca Café Iluminura Calibroscopio Caminhos da Escola Caminhos de Leitura Cândido Candido Portinari canibalismo Caricatura Carlo Collodi Carlos Emilio Faraco Carnaval Carolina Maria de Jesus Carolina Pezzoni Carpintaria Literária Cartão de Visitas casa Casamento Cássia Kis Magro Catalão Cátedra Unesco de Literatura Cavalo Caxias do Sul Cayo César Ceará CEAT Celso Sisto Centro de Cultura Brasileiro de Frankfurt Centro de Leitura Quindim Cerejeiras Ceremonia del té Cervantes Chapeuzinho Vermelho Charles Saatchi Charlie Hebdo Chichico China Christiane Torloni Christine Lagarde Ciça Fittipaldi Ciclo de Literatura Sesc Ciclo Educación Arte y Literatura infantil y juvenil Cida Fernandez Cinema Cínica Cia de Teatro Cíntia Moscovich Círculo do Livro Citações Clanes Clarice Lispector Clasificados y no tanto Classificados e nem tanto Claudia Cardinale Claudio Bojunga Claudio Fragata Cleonice Berardinelli Col. de artigos Cole Coleção Gato Letrado Colégio Loyola Colégio Santo Agostinho Colégio Sinodal Coletânea Colombia Colômbia Com Certeza Tenho Amor Com Clarice Com Sua Voz de Mulher Combinando Palavras Começou ele disse Como se fizesse um cavalo Como Se Fosse Como Si Fuese Como um colar Como uma carta de amor Companhia das Letras Companhia das Letrinhas Con Su Voz de Mujer Confama Conferencia de literatura infantil y juvenil Conferência sobre a mulher na literatura brasileira Congresso de Leitura do Brasil Congresso Iberoamericano de leitura e Literatura Infanto Juvenil Congresso Internacional Lectura 2013 consumismo Contação de Histórias Conto Contos Contos de amor rasgados Contos de Fadas Contos de mentira Conversa com o autor Conversas Ao Pé da Página III Convite Copa do Mundo Coréia Coréia do Norte Coréia do Sul Correio B cotidiano Crescer Crianças Cristina Agostinho Crítica Literária Crônica de Quinta Crônicas 2012 Crônicas 2013 Crônicas 2014 Crônicas 2015 Crônicas 2016 Crônicas 2017 Crônicas 2018 Cuba Cuentos de amor rasgados Culinária Cultrix Curitiba Curso Daniela Landin De água nem tão doce De algum ponto além da cordilheira De bico quebrado De caso com a palavra De su corazon partido Debaixo da aba Delicadeza Delta do Parnaíba Demóstenes Vargas Deonísio da Silva Desde que ela veio deserto Deserto do Atacama Deserto em flor Dheyne de Souza Dia chegaria Dia Internacional da Mulher Dia Internacional de la Juventud Diálogos sobre a hospitalidade da leitura Diego Pun Ediciones Dien Horen Digitigrado Dinheiro Disney Ditadura Do Meu Coração Partido Do seu coração partido Documentário Documentos Dois bandidos dois estilos Dolores Prades Dominique Browning Downton Abbey Doze Reis e a Moça no Labirinto do Vento Doze Reis e a Moça o Labirinto do Vento Drummond É a alma não é? E por falar em amor E por falar em Marina... e-book Edibolso Ediciones del Copista Edicións Xerais Edições Estrangeiras Ediouro Editora Ática Editora FTD Editora Melhoramentos Editora Paulus Editora Pulo do Gato Editora Rovelle Editora Unesp Editorial Alfaguara Editorial Anaya Editorial del Nuevo Extremo Editorial Espasa-Calpe Editorial Gente Nueva Editorial Norma Editorial Plus Ultra Educação para a diversidade Edward Hopper Egito El Chapo El Jinete Azul El País Eleições 2016 Elevador Eliana Pasarán Eliana Yunes Eliandro Rocha Elizabeth Bishop Elizabeth Builes Em igual medida Em tempo Emmanuel Polanco En el Laberinto Del Viento En lo oscuro manchado de luz Encontro com os escritores Encontro de Literatura Infanto-Juvenil da Lusofonia Encontro nacional de Polos de Leitura Encontros Ensaio Ensaios Entre a Espada e a Rosa Entre a fala poética e a prosa cotidiana Entre as folhas do verde O Entre la espada y la Rosa Entre Margens encontro com a literatura Entre um café uma prosa Entrevistas Eritréia Ernani Ssó Escarlate Escola Adventista do Portão Escola Fundamental Henrique Lage Escola Municipal Professora Dyla Silvia de Sá Escola Parque Escola Projeto Vida Espanha Espantapájaros Especialização em Escrita Literária Espírito Santo Estação das Letras Estadão Estado de Minas Estante Virtual Esther Estúdio Acústico Estupro Etiópia Eu quero minha biblioteca Eu sei mas não devia Eu Sozinha Eva Furnari Exposição Fabiana Colasanti Fabiano dos Santos Piúba Fabíola Farias Fabrício Carpinejar Fala Autor Familia Real Fatia de alma a escrita de Marina Colasanti Fausto Fausto Cunha Feira Del Libro Feira do Livro de Bogotá Feira do Livro de Caxias do Sul Feira do Livro de Frankfurt Feira do Livro de Joinville Feira do Livro de Mossoró Feira do Livro de Porto Alegre Feira do Livro de Ribeirão Preto Feira do Livro de Santa Cruz do Sul Feira do Livro de Santo Antônio do Palma e Gentil Feira do Livro de Venâncio Aires Feira do Livro do Colégio Marista Rosário Feira do Livro do Colégio Miraflores Feira do Livro do Uruguai Feira do Livro Rosariense Feira Estudantil do Livro de Sapiranga Feira Internacional do Livro de Bogotá Feira Pan-Amazônica do Livro Feminismo Feria Internacional del Libro de Bogotá Feria Internacional Del Libro de Buenos Aires Feria Internacional del Libro de Guadalajara Festa Literária 7 de Setembro Festa Literária de Nova Friburgo Festa Literária de Paranaguá Festa Literária de Pirenópolis (FLIPIRI) Festa Literária de Santa Teresa Festipoa Literária Festival de libros para ninos y jovenes Festival de libros para niños y jóvenes Festival Internacional de Literatura Infantil Brasileira Festival Internacional de Poesia de Córdoba Festival Literário de Catalão Festival Literário Internacional de Belo Horizonte Fiesta del Libro y la Cultura Figueirinhas FILBO FILBO 2017 Filó Fio após fio Fli7 Fliaraxá Fliaraxá 2018 FLIBH FLICAT FLINF FLIP FLIPIPA FLIPIRI FLIST Flores FLUPP Flupp parque FNLIJ Formiga Foro Internacional por el Fomento del Libro y la Lectura Fortaleza Fórum das Letras de Ouro Preto Fotos França Francisco Augusto Alkmim Francisco Hinojosa François Mitterrand Frankfurter Buchmesse Frederico Elboni Frei Betto Frente e Verso Friburgo Frida Kahlo Frutos e Flores FTD Fundação Municipal de Cultura Fundación Cuatrogatos Fundación Mempo Giardinelli Gabriella Besanzoni Lage Galerinha Record Gastronomia e culinária Gato de Sofá Gênero Georgia O'Keeffe Giambattista Basile Giorgio Albertazzi Global Global Editora Globo News Glória Kirinus Glória Quirinos Godard Goethe Goiás Gráfica Record Brasileira Grande Prêmio Brasil Grécia Grupo Editorial Record Guadalajara Guadalajara International Book fair Guatemala Guerra Gustave Doré Gustavo Martin Garzo Harry Potter Heinrich Hoffmann Homofobia Hora de alimentar serpentes Humberto Werneck IBBY Ignácio de Loyola Brandão igualdade de gênero II Jornada Literária do Vale Histórico II Mostra Sesc de Literatura Contemporânea III Congresso de Educação III Seminário Lelit Il talismano della felicità Ilan Brenman Ilíada Ilustração Imagine Imago Imperatriz InConto Marcado Infantil Infantil & Juvenil Infobae Inglaterra Instituto CeA de Desenvolvimento Social Instituto Dom Miguel Instituto Singularidades Instituto Uka internet Invertida Ipanema Ipanema e a Idade Média Irene Vasco Irmãos Grimm Irmãs Dumond Itália Itinerários Literários Virtuais IV Feira do Livro Infantil de Fortaleza IV Mostra de Literatura Contemporânea Ivan Lins Jabutí Jacareí Jader de Melo Janny van der Molen Japão JB Jean Jullien Jean Paul Belmondo João Felpudo Jogos Olímpicos John Lennon Jornada Literária Jornada Literária do Vale Histórico Jornada Nacional de Literatura Jornadas Internacionales de Literatura Infantil Jornais Jornal da Biblioteca Pública do Paraná Jornal do Brasil Jornal Nacional Jornal Púlblico Jose Castilho José Castilho Marques Neto José Rubem Josee Koning Juana Neira Juca Fardin Juiz de Fora Júnia Vieira Juvenil Karla Cristina Santana Katy Navarro Kelio Junior l’Harmattan L&PM La Amistad Bate La Cola La Estafeta del Viento La Joven Tejedora La Muerte Y El Rey La Polémica Feminista La Tejedora Lady Almina Laerte Lançamentos Laurentino Gomes Lavras Leda Nagle Leitura Leitura Cênica Lentamente no rumo Leonardo Barros Leonardo Neto LER Salão Carioca do Livro LERCON Letras Femininas Lewis Carroll Líbia Lidia Jorge Linternas y Bosques Lisetta Colasanti Literamérica Literatura Infantil Livraria Cobra Norato Livraria da Vila Livraria Martins Fontes Livro de Contos Livro de Crônicas Livro do mês Livros Livros para todas as idades Lobo Loducca Lorelay Fox Los micropoemas para niños de Marina Colasanti Lota de Macedo Soares Lourenço Cazarré Lu Lacerda Luisa Geisler Luiz Paulo Faccioli Luiz Ruffato Lya Luft Lygia Bojunga Lygia Bonjunga Macaco Machado de Assis Machismo Madrid Maggie Smith Maio Cultural Mais Bibliotecas Mais de 100 histórias maravilhosas Malala Yousafzai MAM Manfredo Colasanti Manny Gutierrez Mapas Literários o Rio em histórias Maranhão Maratona de Leitura Marcelo Andrade Marcelo Crivella Marco Lacerda Maria Helena Bazzo Maria Rezende Maria Teresa Andruetto Marie Kondo Marielle Franco Marina Colasanti Marina Manda Lembraças Marina Manda Lembranças Marina Raskova Marinada de Contos Marinando Marisa Lajolo Marlon Tenório Martha Medeiros Matérias Matteo Garrone Maurice Sendak Maurício Leite Medalha Medellín Mediadores de leitura Mein fremden krieg Mein Fremder Krieg Melhoramentos Melhores Crônicas Marina Colasanti Memórias Memórias da Literatura Infantil e Juvenil Menu Mercatus Merte Bajo El Sol Mesmo Parada Meu bicho de estimação México Mi Guerra Ajena Millôr Fernandes MinC Minha Guerra Alheia Minha Ilha Maravilha Minha Tia Me Contou Mini contos miniconto Minuto Unesp Míriam Leitão Moda Moderna Modernidade Monet Morte Morte sob o sol Moscou Movimento por um Brasil Literário Mulher Mulher daqui pra frente Mulheres Mulheres e política Nada na manga Natal Natureza Navio Negreiros Nélida Piñón Nelson Algren Nelson Pereira dos Santos Nidos para la lectura Ninfa Parreiras No escuro manchado de luz Noo Mag Nórdica Notícia em Ação Notícias Nova Cultural Nova Fronteira Nova Fronteira/Edições JB Novela Nunca descuidando do dever O Anel Encantado O Autor na Academia O Brasil Literário O Conto dos Contos O fio azul da literatura O homem que não parava de crescer O inconsciente imutável O leopardo é um animal delicado O lobo e o carneiro no sonho de menina O Nome da Manhã O país de João O Povo O que seria do amor se não fosse o petróleo O que tem debaixo aba Obra Observatório da Imprensa Odilon Moraes Odilon Redon Oficina de Contos Oficio da Palavra Onde o rio abre seus dedos Onde vivem os monstros Ópera Opinião Minas Orlando Orfei Os Outros Os valores e o tapete Oscar Outro quilombo Páginas Azuis País de João Paiva Brasil Palabras Rodantes Palavras Andarilhas Palmeiras Panamericana Editorial Papo Literário Para que ninguém a quisesse Paraná Paranaguá Paris Parque Lage Passageira em Trânsito Passando dos cinquenta Paula Rego Paulo Netho Pavão Pavãozinho Pawel Kuczynski PDF peixe Pelo fim da cultura do estupro Penélope manda lembraças Penélope manda lembranças Penelope manda recuerdos Pequenas Notáveis Pequenos Mundos PHILOS Pierre Bonnard Pinóquio Poesia Poesia no parque Poliamor Política Polo Sou de Minas Uai Polo Valelendo Pombal Ponta Grossa Por querer só por querer Porto Alegre Portugal Prazer em Ler Preciso para Prêmio Camões 2012 Prêmio FNLIJ 2013 Prêmio FNLIJ 2017 Premio Fundación Cuatrogatos 2016 Prêmio Hans Christian Andersen Prêmio Ibero-Americano SM de Literatura Infantil e Juvenil Prêmio Jabuti 2014 Prêmio Portugal Telecom 2014 Prêmio SESC de Literatura Prêmio Viajantes Literários Prêmios presídio Anísio Jobim Primero el Lector - Asolectura Processos Programa Rio Uma cidade de leitores Programa Salto para o futuro Projeto 100 Nonni Projeto Navegar é Preciso Projeto Sinestesia Proler Promoção Publicações estrangeiras Publishnews PUC Quando a primavera chegar Que leitores e que leituras? Que nada se desperdice Questão de direito Questão de Timing Quinteto Rachel Jardim Radar da Educação Rádio rádionovela receita Record Rede Minas redes sociais Regina Vater Remy Gorga Filho Renato Braz Renato Coelho Resenha Revista Atrium Revista Blimunda Revista Bloc Revista LolaMag Revista PHILOS RevistaBabar Revistas Riad Sattouf Ribeirão Preto Rimbaud Rio de Janeiro Rio de Leitores Rio Negro Rires do Rio Roberto Rodrigues Rocco Rocha Roger Mello Rojo entre los troncos Romance Ron Mueck Roquette Pinto Rosana Lancelotte Rosas en la cabecera Rosas na Cabeceira Roseana Murray Rota de Colisão rotina Rovelle Rubem Braga Ruth Rocha Sala de Literatura Infantil e Juvenil Marina Colasanti Salamandra Salão de Ideias Salão do Livro de Paris Salão do Livro de Parnaíba Salão do Livro de Presidente Prudente Salão do Livro FNLIJ Salão do Livro Infantil e Infanto Juvenil de Belo Horizonte Salão do Livro Infantil e Juvenil de Minas Gerais Salão FNLIJ Salatiel Silva SALIMP SALIPI Salon Du Livre Paris 2015 Salvatore Giuliano Samir Abujamra Samuel Medina Sandra La Porte Santiago Régis São Longuinho São Paulo Sarau do Tamanduel Sebastião Salgado Sebo Segunda Guerra Mundial Seleções selfie Sem asas porém Sem Censura Semana Semana Literária e Feira do Livro Semana Literária Marina Colasanti Semana Literária Sesc Semana Literária Sesc Maringá Semana Sesc de Leitura e Literatura Seminário Seminário Brasil Literário Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias Sempre um Papo Senalij Sereia Sérfio Telles Sergio Rodrigues Sertã Sesc Sesc Bom Retiro Sesc Literatura Sesc Petrolina Sesc Ribeirão Preto Sesc Três Rios Sesc TV SESI-SP Sete anos e mais sete Sete Lagoas Sexo Shakespeare Silêncio Silvia Castrillon Simão Cunha Simone de Beauvoir Simpósio de Educação Simpósio Paulus de Educação Sin alas no obstante Snowden Sobre Marina sociedade Sociologia Sonia Braga Sonia Delaunay Sou 60 Stefano Stella Maris Rezende Sueños de Papel Super Libres Susaeta Edicione Svetlana Alexiévich Tatuagem Táxi Teatro Tentando se segurar numa alça lilás Tessituras Thalita Rebouças Thelmo Lins Tibau do Sul RN Tim Grandes Escritores Tinkuy Tirando de Letra Tomasz Barcinski Tradução Trancoso Trip Hop Tripoli Tudo tem princípio e fim TV Brasil TV Cultura TV Escola TV PUC Minas Twittaço Twitter Tzu Hsi Ubá UFG Ulisses Um amigo para sempre Um Escritor na Biblioteca Um espinho de marfim Um laço de amor Uma ideia toda azul Uma idéia toda azul Uma manhã toda azul Un amigo para siempre Unicef UNIFEMM Unigranrio V Festival Internacional de Poesia V&R Editoras Valentina Sampaio Valter Hugo Mãe Venâncio Aires Vera Holtz Verlaine Vermelho entre os troncos Vestibular Videoconferência Vídeos Vídeos Marina VIII Seminário Internacional de Letras Vinte Vezes Você violência Volnei Canônica Wachowski Woody Allen Xangai XII Palavras Andarilhas XIII Premio Iberoamericano SM de Literatura Infantil y Juvenil XIV Feira do Livro Editora UFPR XIX Congresso Brasileiro de Poesia XXI Congresso Brasileiro de Poesia XXII Feira do Livro de Caçapava do Sul Yoko Ono Yolanda Reyes youtubers Yung Chang Zika Ziraldo Zooilógico Zuenir Ventura
false
ltr
item
Marina Colasanti: Entrevista Blimunda Junho 2016
Entrevista Blimunda Junho 2016
https://3.bp.blogspot.com/-CimFUhmZ2WI/V5DhPeQhqkI/AAAAAAAAH6M/ac6_OevlZMwQu7qwhZIk_fMztDcy8w74wCLcB/s640/blimunda_49_junho_2016_1-1.jpg
https://3.bp.blogspot.com/-CimFUhmZ2WI/V5DhPeQhqkI/AAAAAAAAH6M/ac6_OevlZMwQu7qwhZIk_fMztDcy8w74wCLcB/s72-c/blimunda_49_junho_2016_1-1.jpg
Marina Colasanti
https://www.marinacolasanti.com/2016/07/entrevista-blimunda-junho-2016.html
https://www.marinacolasanti.com/
https://www.marinacolasanti.com/
https://www.marinacolasanti.com/2016/07/entrevista-blimunda-junho-2016.html
true
7998692606029036086
UTF-8
Não foi encontrada nenhuma postagem Veja mais Leia mais Resposta Cancelar resposta Deletar Por Home Páginas Postagens Veja mais Recomendado para você Categoria Arquivo Busca Todas as postagens Não foi encontrado nenhuma postagem Voltar para Home Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora mesmo 1 minuto há pouco $$1$$ minutos atrás 1 hora há pouco $$1$$ horas atrás Ontem $$1$$ dias atrás $$1$$ semanas atrás Há mais de 5 semanas Seguidores Seguir Este Conteúdo é PREMIUM Por favor, compartilhe para desbloquear Copiar todo o código Selecionar todo o código Todos os códigos foram copiados para a área de transferência Não é possível copiar os códigos / textos, por favor, pressione [CTRL]+[C] (ou CMD+C no Mac) para copiar